Objota O mundo orientado a objetos

Primeiros passos com php

Posted on julho 10, 2010

Posted by Rodrigo Ireno

Tipos de dados em php

Antes de começar é preciso saber de alguns detalhes da linguagem. Todo código para ser executado, deve estar em um arquivo com extenção ".php". Dentro de um servidor ou se for local dentro da pasta htdocs.
Em algumas linguagens, como Java, é preciso dizer que tipo de dado vai ser armazenado em uma variável. No php isso não é necessário com tipos primitivos. Ele pode armazenar números inteiros, números double ou float (números com casas decimais), sendo que as casas decimais devem ser separados por um “.”(ponto) . E String uma cadeia de caracteres, sempre entre aspas-duplas ou aspas-simples, sendo que existe diferença entre as duas. Será citada em momento oportuno.

E por último valores booleanos, ou seja: 0 ou 1, true (verdadeiro) ou false (falso).

Exemplo:
Armazenando Inteiros:
$var = 50;
Armazenando double ou float:
$var = 50.365;
Armazenando String:
$var = "Eu vi isso no objota";

Armazenando valor booleano:
$var = true; //verdadeiro
$var = 1; //verdadeiro

$var = false; // falso
$var = 0; //falso

Estruturas de Controle

Veremos a seguir uma série de estruturas de controle utilizadas no php para controlar o fluxo da aplicação. Mas antes...

Declarando variáveis:

Toda variável em php deve iniciar com o símbolo de sifrão “$”. Logo depois dele é possível colocar caracteres alfanuméricos. De A-Z e de 0-9 (o primeiro caractere depois do sifrão deve ser uma letra). Por regra de sintaxe, todo comando deve ser finalizado com um ponto-e-vírgula “;”. Vide exemplo abaixo.

$variavel;

Operador de atribuição:
O operador de atribuição “=” (igual) é utilizado para atribuir (armazenar) um valor em uma variável. Vide exemplo abaixo.


$variavel = “Valor”;

Operador de comparação:

Os operadores de comparação são utilizados para fazer comparação de valores, dentro de variáveis.

  • “==” este operador compara se o dois valores são iguais. Cuidado é muito fácil confundir este operador com o de atribuição que é só um “=”(igual).
  • “>” (maior que) este operador compara se o valor da esquerda é maior que o da direita.
  • “<” (menor que) este operador compara se o valor da direita é maior que o da esquerda. · “>=” (maior igual) este operador compara se o valor da esquerda é maior ou igual ao valor da direita.
  • “<=” (menor igual) este operador compara se o valor da esquerda é menor ou igual ao valor da direita.
  • “!=” (diferente) este operador verifica se os valores comparados são diferentes.
  • “===” (idêntico) este operador verifica se os dois valores comparados são idênticos.
  • “!==” (não-idêntico) este operador verifica se os dois valores comparados não são idênticos.

Operador de bits:

Deslocamento à esquerda:

"<<"

<code>$a << $b;</code>

Desloca os bits de $a "$b passos" para a esquerda (cada passo significa "multiplica por dois"). Se $b for 2, por exemplo, os bits serão deslocados dois passos a esquerda.

Deslocamento à direita:

">>"

$a >> $b;

Desloca os bits de $a "$b passos" para a direita (cada passo significa "divide por dois"). Segue o mesmo conceito que o anterior.
Se você ainda não tem familiaridades com base binária sugiro que faça um breve estudo a respeito. Futuramente veremos como utilizar estes operadores.

Estruturas condicionais:

IF, ELSEIF, ELSE IF, ELSE, SWICTH, CASE.

Em geral o a estrutura if funciona da seguinte forma.
If(<expressão>){
Bloco de código a executar.
}
Se a expressão dentro do parâmetro do if for verdadeira ele executa o conteúdo do bloco, caso contrário ele excuta o else . Se não existir um else ele simplesmente não faz nada.
Exemplos:
IF

<?php
$var1 = 5;
$var2 = 6;
If($var1 < $var2){
echo “Texto qualquer”;
}

?>

IF e ELSE

<?php
$var1 = 5;
$var2 = 6;
If($var1 >  $var2){
echo “Texto qualquer”;
}
Else{
Echo “Texto qualquer do else”;
}

 ?>

Também é possível fazer um encadeamento, com uma séria de if else ifs.

<?php
If(5 > 10){
 echo “primeiro if”;
}
else if(10 > 11){
 echo “Segundo if”;
}
else{
 echo “Final”;
}

?>

Experimente alterar os valores na comparação, fazendo vários testes. Isso irá ajudar a fixar bem a idéia de como funciona a estrutura.

SWICTH, CASE

Se você conseguir associar bem o uso de um if e else vai achar ainda mais fácil utilizar um swicth. Sua estrutura é bem simples, veja abaixo:

switch (<valor>) {
case 0:
echo "i equals 0";
break;
case 1:
echo "i equals 1";
break;
case 2:
echo "i equals 2";
break;
}

Se o valor recebido por parâmentro for igual ao valor na frente do palavra case então ele irá executar um comando até encontrar um comando break. Mais simples impossível. Vejamos um exemplo real abaixo:

<?php

$valor =  0;
<code>switch ($valor) {
 case 0:
echo "Teste 0";
 break;
 case 1:
echo "Teste 1";
 break;
 case 2:
echo "Teste 2";
 break;
}</code>

?>

Neste caso o case que será executado é o Zero "0";

Estruturas de repetição:

For, while, do while, foreach
Em geral uma estrutura de repetição serve para repetir um trecho de código um determinado número de vezes. O programador pode ou não saber quantas vezes este trecho irá repetir. Para isso existem estruturas como while e do while¸elas repetem um bloco de código enquanto uma expressão for verdadeira.
A estrutura for é utilizada geralmente quando se sabe o número de repetições necessárias para executar uma certa ação. Vejamos alguns exemplos.
FOR
for(<Inicia o contador>;<expressão>;<incrementa o contador>){
bloco de código a executar.
}

<?php
for($i = 0; $i <= 10;$i++){
  echo $i;
}
?>

O primeiro parâmetro do for é onde atribuímos um valor inicial para seu contador. Neste caso eu chamei de $i. O segundo parâmetro é uma expressão que pode ser verdadeira ou falsa. E o terceiro e último parâmetro é onde se incrementa o valor do contador. Os dois símbolos de “+” juntos, “++” é o mesmo que “+1”. Sendo assim $i++ é o mesmo que $i+1.
Neste caso o for imprime na tela números de 0 até 10. Sendo executado da seguinte forma. Primeiro ele atribui o valor inicial do contador, no caso zero “0”; Depois compara se a expressão é verdadeira, caso seja executa o conteúdo do seu bloco; Em seguida incrementa o contador, que antes era zero agora se torna 1 a assim sucessivamente até que a expressão não seja mais verdadeira.

WHILE
while(<expressão>){
bloco de código a executar.
}

<?php
$var1 = 20;
$var2 = 35;
while($var1 <= $var2){
 	echo $var1;
 	$var1++;
}
?>

Com a estrutura while a coisa é mais simples. Veja que ele só possui um parâmetro, que recebe uma expressão. Segue a regra, se a expressão for verdadeira ele executa o bloco de código, caso contrário o fluxo da aplicação segue em frente. Neste caso o trecho de código dentro do bloco imprime na tela todos os valores de 20 até 35. Veja que ainda dentro do bloco eu faço o incremento da variável $var1. Se isso não fosse feito, $var1 sempre iria ter o mesmo valor “20”, conseqüentemente a expressão sempre seria verdadeira “20 menor ou igual a 35”. Isso tudo iria resultar em um loop infinito, o que faria o browser ficar cada vez mais lento até travar e fechar o programa.

FOREACH
O foreach é uma estrutura utilizada para extrair todo o conteúdo de um array, para saber mais sobre arrays veja este artigo: Arrays em php.

<?php
$var1 = array(“valor1”,”valor2”,”valor3”);

foreach($var1 as $key){
 	echo $key;
}

?>

Este trecho de código imprime na tela todos os valores do Array.
Por aqui basta, espero que tenha sido esclarecedor para quem está começando. Até o próximo artigo.

Hello World em php

Posted on julho 5, 2010

Posted by Rodrigo Ireno

PHP (um acrônimo recursivo para "PHP: Hypertext Preprocessor") é uma linguagem de programação de computadores interpretada, livre e muito utilizada para gerar conteúdo dinâmico na Web.

Algumas pessoas se confundem com php e javascript, desde já esclareço. PHP é uma linguagem que é executada pelo servidor web e o javascript é executado pelo navegador do usuário.

A linguagem surgiu por volta de 1994, como um pacote de programas CGI criado por Rasmus Lerdorf, com o nome Personal Home Page Tools, para substituir um conjunto de scripts Perl que ele usava no desenvolvimento de sua página pessoal. Em 1997 foi lançado o novo pacote da linguagem com o nome de PHP/FI, trazendo a ferramenta Forms Interpreter, um interpretador de comandos SQL.

A atual versão é a 5, que possibilita utilizar diversos recursos de orientação a objetos. E ela já está caminhando firme rumo a versão 6, com certeza com mais recursos ainda.

É uma linguagem, em essência, muito parecida com C e C++. E o detalhe é que seu compilador é feito em C. Está disponível para diversos sistemas operacionais: Windows, Linux Mac OS são alguns deles.

Neste artigo quero mostrar como instalar o php e publicar um simples exemplo de script em PHP. A plataforma que irei utilizar é windows.

Para começar vamos fazer download do xampp. Um aplicativo que instala em sua máquina todas as ferramentas necessárias para se iniciar um estudo de php sendo:

  • O compilador do php
  • Banco de Dados MySQL - e a ferramenta phpMyAdmin
  • E o todo poderoso servidor Apache

Além de alguns ítens de série, mas por hora não vem ao caso.

Entendendo as três coisas. O compilador lê o seu código interpreta e executa; O banco de dados armazena dados (que novidade); E o Apache é um software para servidores web que recebe requisições e devolve uma página para o browser.

Um exemplo de requisição:
www.google.com.br

Ou seja, requisição quem faz é o usuário através do browser.

faça download do xampp

Sua instalação é extremamente simples, vai apertando "Next" ou "Próximo" até ele instalar. No meio dessa história o instalador vai te perguntar onde arquivar o xampp, lembre bem onde ele será arquivado.

Depois de instalado, encontre a pasta xampp e dentro dela encontre a pasta htdocs, pois é lá que os scripts php devem ficar para que sejam executados.

C: CaminhoQueVocêEscolheu/xampp/htdocs

( "C:" também era um exemplo, você também pode instalar em outras partições de seu computador ).

Feito isso, já temos como fazer um Hello World. Podemos usar o bloco de notas para escrever o script, salvar com a extensão “.php”, porém profissionais da área utilizam ferramentas especializadas em lidar com esta linguagem, são as chamadas  IDE's,  ( Integrated Development Environment) - Ambiente Integrado de Desenvolvimento.

Existem vários editores no mercado, a maioria freeware. Eu utilizo ZendStudio, uma excelente ferramenta para desenvolvimento web, e vai bem além de php. Outra também para iniciar e nada mais que isso seria o Dreamweaver, mas ainda assim recomendo o ZendStudio.
Bom vamos ao "Hello World";

Inicie seu bloco de notas e digite:

<?php

echo "Hellow World";

?>

Salve este arquivo dentro do diretorio ( pasta)  htdocs com a extensão “.php”, pode ser com o nome teste.php

Depois disso, inicie seu browser e digite:

http://localhost/teste.php

Se tudo der certo você verá a frase "Hello World" escrito na tela do navegador.

Pronto, você já fez, provavelmente,  seu primeiro script em php.
Dúvidas ou sugestões deixem um comentário. Abraços 😉

Iniciando em programação – Tipos de linguagem

Posted on junho 29, 2010

Posted by Rodrigo Ireno

Olá, neste artigo quero fazer uma breve abordagem sobre linguagens de programação, e citar algumas de suas propriedades.

As linguagens são divididas de acordo com suas características, tipo de aplicação ou estrutura:

Baixo nível: Assembly

Estruturadas: Cobol, Basic

Procedurais: C, Pascal, FORTRAN, ADA

Funcionais: PROLOG e LISP

Orientadas a Objeto: Smaltalk, C++ e Java

Específicas: Clipper e SQL

4ª Geração ou visuais: Visual Basic e Delphi

Linguagem de Baixo Nível:

Estão mais próximas ao código de máquina (mais próximas ao hardware). Por tanto estão vinculadas ao processador da máquina. Um exemplo para isso seria o fato de que existe um conjunto de instruções diferentes para processadores Intel 486, Pentium etc;

Exemplo ASSEMBLY:

As máquinas processam as informações baseadas em uma lógica boleana. É o conceito do ‘0’ e ‘1’, ou seja, circuito ligado ou desligado. Essa, porém é a linguagem binária, utilizada para comandos do hardware. Sendo ela muito confusa e difícil de programar, optou-se por resumir cadeias inteiras de ‘0’ e ‘1’ que representavam um comando específico e transformá-lo numa palavra que tivesse relação com o comando.

Exemplo:

Imagine o seguinte comando: “pular para determinado endereço”

(É somente um exemplo e não um comando!)

Em linguagem binária:

01100110011000110011100110011000011001

Em Assembly:

JMP

É com certeza bem mais fácil escrever JMP – que vem do inglês ‘jump’ e tem certa relação com o termo citado acima.

Linguagens Estruturadas:

São linguagens que não possuem vínculo ao processador utilizado e a semântica de termos é mais genérica podendo ser utilizada em outras plataformas;

Seu ciclo iniciou-se em 1960 com o COBOL e 1963 com a linguagem BASIC.

COBOL:

COmmon Business Oriented Language –

Linguagem comum orientada a negócio;

Criada para o desenvolvimento de aplicações comerciais: estoque, contabilidade, folha pagamento. Disponível em todas as plataformas existentes.  Atualmente possui versões orientadas a objeto e visuais.

Linguagens Procedurais:

São consideradas subtipos das linguagens estruturadas;

Permitem maior clareza de sintaxe e organização;

Estruturas:

If..then..else

case/switch

for..

while

do until.

Veremos estas estruturas nos próximos artigos

Linguagem C:

Surgiu da necessidade de uma linguagem de alto nível para o desenvolvimento do sistema operacional UNIX na década de 70. É uma linguagem genérica utilizada para criação de processadores de texto, planilhas, sistemas operacionais, comunicação, automação, banco de dados etc.

Outras Representantes:

PASCAL: utilização científica e educacional (1968)

FORTRAN: Formula Translation – científica (1966)

ADA: Baseada no Fortran e Pascal (1978)

Possui conceitos modernos:

  • Reuso
  • Portável
  • tempo real.

Linguagens Funcionais:

Baseado na avaliação de expressões e fundamentos matemáticos.

Estilo diferente de programar;

Requer conhecimento específico.

Exemplos:

PROLOG: (França, 1973) – Uso simples – base matemática

LISP: Baseia-se estudos de Inteligência artificial - 1980

Linguagens Específicas:

SQL (Structured Query Language);

Linguagem de acesso a banco de dados;

São executadas pelos SGBDs;

Clipper (1980-1990)

Base em C e Smaltalk;

Usada para acessar base de dados Dbase;

Dominou o mercado comercial entre 1988-1995 devido as restrições de memória e espaço em disco dos computadores da época (XT, 286, 386)

Linguagens Específicas:

HTML (Hyper Text Markup Language);

Permite a formatação de textos e imagens em páginas WEB;

JAVASCRIPT

Proporciona maior flexibilidade às aplicações WEB;

Sintaxe semelhante ao Java;

Permite operações no browser sem requisições ao servidor;

Uso ampliado em função do AJAX.

Linguagens 4ª Geração ou Visuais:

O surgimento do sistema operacional Windows mudou a forma de interação do usuário com o computador. Essas mudanças afetaram a forma de desenvolver as aplicações e a estrutura das linguagens de programação.

Houve um grande salto de qualidade no desenvolvimento de novas aplicações.

Visual Basic

Criada pela Microsoft em 1994;

Explora os princípios básicos do Windows gerando aplicações com alta interatividade com o usuário e desenvolvedor. Atualmente é orientada a objetos e faz parte do framework  .NET.

DELPHI

Criada pela Borland e baseada na linguagem Pascal, possui as mesmas características do Visual Basic

E finalmente!

Linguagens Orientada a Objetos:

Surgiram em razão das novas técnicas de análise orientada a objetos. Fazendo

paradigmas sofrerem radical transformação.

Exemplos:

SMALTALK: Xerox – década de 70 – 100% OO;

C++: Extensão da linguagem C – 1986;

JAVA: Sun – 1990

Possui portabilidade, pois é compilada e interpretada – bytecode

Falaremos disso mais adiante.

Bom. Por enquanto é isso. Espero que tenha sido esclarecedor a todos.